sexta-feira, janeiro 19, 2018

Fornada de trouxas

Ah! Rapaz de pão, com sua massa cinzenta.
Rapaz pão! Do seu jeito sovado, assim ao solavanco amaciado.
Mente aberta
Amassada
Moldada
Surrada
Ah! Cabeça de pão, corte pro diabo sair.
Se faz casca dura é integral
O rude que se faz mais saudável.
Ah! Pele de pão, por dentro teu miolo sem sabor.
Rapaz! Pera aí!
Que este forno é de má qualidade
Pra te assar, dourar, fazer crescer.
Opa! Tudo tem seu ponto certo.
Te digo menino pão,
Que do melhor ingrediente a ti foi gasto.
Melhores gemas, melhor liga.
Melhor farinha, incorpora rapaz! Apruma-te!
Ô muleque bisnaga,
Com esses pés pequenos que chegou aqui?
Rapaz de entrega dos pães?!
Cresce guri! Incha na forma e dela sai,
Que te comprarão num melhor preço que o pão de ontem
Ah cabeça de pão! Alimenta esse ego adormecido

Alimenta essa alma seca, desconstrói tua casca que baguette bem sei que não é.

domingo, janeiro 14, 2018

Condominio dos mendigos



Desculpe a bagunça, mas a ultima inquilina deixou tudo aqui
Foi mal pela poeira, o imóvel ta vago já faz tempo, embora tanto anuncio ninguém quer espantar os fantasmas daqui.
Perdoe-me os moveis antigos, é que demora pra eu, conseguir mover tudo aqui, é pesado demais, guarda almas pesado demais.
Eu juro que anuncio, se espaço tivesse, eu colocaria a assombração, que junta está. Mas se for alugar, me ajuda, a tirar os quadros antigos, tantos retratos, e roupas antigas, pra jogar.
 Fique aqui, te faço um café, ainda sei agradar, a moradora que foi, deixou o pó de café embaixo do armário e os filtros jogados, mas sei arrumar.
Mas se puder esperar, poderei arrumar um cômodo ou dois, pra você, dormir aqui.
O imóvel está vazio pra alugar, eu sou dono de tudo, mas durmo na rua.

Poseidon me



Se estou bem?
Eu estou lutando pra ficar no topo
Meu braço tem câimbra
Minhas pernas fadigam
Me falta o fôlego.

Se estou bem?
Meus pulmões estão com água
Minhas roupas molhadas, meu cabelo pra baixo
Como minha alma

Mas se quer saber, eu vou continuar
Bolhas na frente, braços e pernas batendo
Subindo e descendo como é pra todos
mas aprendi a nadar.

Se estou bem?
As roupas estão pesadas
Os abissais me cumprimentam
E eu me sinto o rei do oceano

Se você pudesse, descer até a escuridão veria
Cavalos marinhos, tubarões e golfinhos

Mas numa onda eu estarei por cima
E vou levar atlantes
E vou reinar de novo.
Então estarei bem.

o pretérito pode ser perfeito.



Hoje eu vi o passado
Não o de anos atrás, mas sim o do futuro
Aquele passado que nos faz falta, numa noite chuvosa de sábado
Hoje eu o vi.
Pode ser que você ainda não o tenha  visto, mas ele esta Lá
Nas conversas dos seus pais sob re o preço dos imóveis, nos comentários do seu irmão sobre as notas escolares.

Pode ser que você entenda, pode ser que não, pode ser que você o sinta, pode ser que não
Mas entenda,  o passado já foi futuro pra quem o soube observar
Será nostalgia, será alegria se você deixar

Hoje eu vi o passado e sorri.

sexta-feira, janeiro 12, 2018

bu



Você pode descrever a solidão?
Um frio vento acariciando seu cabelo, um vento que nem bagunça os fios soltos
O senhor e você, sua mente e você, você pode? o frio da água.

O calor do dia, você ainda sente?
E toda manha levanta suada e triste
O frio apenas nos pés, o frio apenas nas costas, o frio em todo lugar apenas? como seu quarto.

Tédio, você o percebe
Na sua casa sem janelas abertas, com assovios e portas se fechando
Mas o vento ainda caminha, o vento parece soprar, o vento assobia, será que há?